quinta-feira, 16 de junho de 2011

Jogo dos sete erros: O que você não viu na nova praça de Santa Maria


Primeiramente quero parabenizar o governo Rosinha Garotinho por se dispor a fazer o que nenhum governo antes havia feito, uma praça para a comunidade de Santa Maria; e, devo admitir, uma bela praça.
Contudo, não posso fechar os olhos para graves falhas cometidas, que comprometem sua beleza e durabilidade:
1º - Em toda a praça não há uma única lixeira. Em tempos de sustentabilidade e consciência ambiental, quem em perfeito juízo projetaria uma praça sem lixeiras?
2º - Na praça, plantaram árvores, grama, flores, enfim, tudo o que uma praça precisa para ser praça, mas se esqueceram de um pequeno detalhe sem o qual nada disso sobrevive: água. Não há na praça uma única torneira para aguar as plantas e a grama. Como pode? Até uma criança pensaria em água para a grama. Agora, se quiserem colocar um sistema de irrigação, vão ter que quebrar um pedaço da obra que acabaram de fazer.
3º - Não foi contratado um vigia ou jardineiro para tomar conta da praça e aguar a grama, que, diga-se de passagem já estaria seca e morta e a praça em chão batido se não fosse a disposição de um cidadão, membro da comunidade, que, por ser muito prestativo (quem o conhece sabe), e por amar plantas, tem tirado um tempo precioso (várias horas) dos seus dias de folga para aguar a praça, providenciando quase cem metros de mangueira (que são ligadas à torneira do banheiro público) para realizar este feito. E ele ainda agüenta as afrontas de quem passa e o chama de bobo por zelar pelo nosso patrimônio, e dos que dizem que ele faz isso por interesse. Esse é o nosso amigo Arlésio, vulgo ‘Tomate’.

4º - Não foi providenciada nenhuma cerquinha para o parquinho das crianças; cerca esta que impediria que alguma criança pequena caísse do parquinho para a calçada, visto que há uma diferença de altura considerável entre os dois. Além disso, todos sabemos que não são só as crianças que adoram areia, os cães e gatos também, mas por motivos bem diferentes. Parece que ao fazer um parque com areia sem cerca, a prefeitura queria matar dois coelhos com uma cajadada só: fazer uma área para as crianças brincarem e construir algo inédito, o primeiro banheiro público para animais do planeta; quanta consideração com os pets! Pergunto: você teria coragem de deixar seu filho brincar neste banheiro animal a céu aberto, sabendo a quantidade de doenças a que eles estão sujeitos em tal lugar? Quem projetou a praça também não o fez para os filhos deles brincarem lá, só para os nossos.



5º - Falando em cercas, porque não foi feita uma cerquinha baixa em volta de toda a grama e plantas para evitar que as crianças e adultos não pisassem nas mesmas? Durante a própria festa, o fluxo de pessoas sobre a grama, matou parte da mesma, o que teria sido evitado facilmente.

6º - Porque não deram um pingo de solda nos parafusos que prendem as réguas dos bancos pare evitar que algum desocupado removesse os mesmos, como está ocorrendo?






7º - alguém me responda por favor: a estrutura central, onde ficam as mesas de jogos não deveria ser coberta? Já até me disseram que no projeto está coberta, não sei se é verdade (se for então deve ser apurada a possibilidade de ter ocorrido uma fraude); mas para que serve aquele monte de madeira sem cobertura afinal? Os aposentados devem queimar suas pobres carequinhas sexagenárias no sol para poder jogar xadrez na praça?


Quero encerrar lamentando também a atitude de uma meia dúzia de moradores que fazem questão de destruir a praça: arrancam os parafusos dos bancos e quebram as réguas dos mesmos; um dia após a inauguração destruíram as duas gangorras do parque, quebrando inclusive pesadas peças de ferro. Eu sei quem quebrou as gangorras, foi dois desocupados, dois marmajos que deviam ter vergonha na cara, e eu só não digo os nomes aqui porque não fui testemunha ocular do fato. Pronto falei!



Rev. Maurício de Almeida Soares
Pastor da Igreja Presbiteriana em Santa Maria de Campos

2 comentários:

  1. JOÃO FABIANO TERRA VELLOZO27 de junho de 2011 22:49

    Infelizmente a praça de Santa Maria levou mais de 1 ano para ser reformada.
    Desde criança eu conheço Santa Maria, afinal meus avós materno e Paterno foram nascidos E criados em Santa Maria, e obviamente meus Pais Também.

    Sendo assim a praça dessa Cidade marcou muito a minha Família, pois nela nós assistimos jogos, novelas e etc, e não obstante participamos de muito assunto político e religioso também.
    è uma vergonha para a comunidade, ter uma praça que já marcou épocas e muitas épocas de grandes acontecimentos no Distrito, que aos poucos foi depredada, chegando ao ponto de ser fechada por muito tempo.
    Desta forma, lamento muito a associação de moradores pela sua omissão por não terem tomado providências em tempo hábil, a fim de cobrarem das autoridades a real prestação de conta do Munícipio; pois somente a ela ou através do Ministério Publico, poderia propor a ação civil Pública em razão de terem legitimidade Extraordinária, para postularem Direito alheio, tendo em vista que a praça é considerado um Bem Público e protegido Constitucionalmente como matéria de meio Ambiente Artigo 225 CRFB/88.

    ResponderExcluir
  2. oi fabiano,
    concordo em genero, número e grau.
    abraço

    ResponderExcluir

Comemente à voltade, deixe críticas e sugestões. Só não publico comentários anônimos. se deixar seu comentário, deixe seu nome.